Friday, 21 September 2007

sábado de sol....

Acho que uma das mais traumáticas lembranças do meu tempo de escola eram as excursões de fim-de-semana. Depois de aturar aquele bando de gente imbecil durante toda a semana, ainda tinha que aturá-los ainda mais um bocado no sábado...de manhã. Bem cedo. Praia. Saudável. Diverrrtido. Como sair da cama às 6 da manhã de sábado a sorrir, quando eu tinha ido me deitar uma hora antes? Mas eu tinha que "blend in" ou ainda iam pensar que eu era um gajo anti-social ...eu?
Era uma praia afastada. Eu entrei no autocarro em "zombie mode" e se me deixassem lá eu não iria fazer a mínima idéia de onde era aquilo ou de como sair de lá. Eu ainda dignei-me a sair do autocarro e sentar-me um pouco na areia...a ver os meninos héteros correrem de um lado para o outro atrás das meninas héteras que não queriam dar um beijinho ou segurar no rejeitado mangalho dos meninos... elas queriam segurar na mão, mamar gelados (pagos pelos meninos dos rejeitados mangalhos esfomeados) e falar coisas românticas à beira-mar... pois. Decidi voltar para o autocarro. A estrada ficava muito acima do nível do mar, a estrada numa encosta e ao subir, olhei para trás e vi uma grande nuvem negra a aproximar-se. Segundos depois, a chuva assustou os reprodutores todos para dentro dos quiosques e tendas, onde eles iriam voltar a implorar por qualquer coisinha meramente física... o condutor do autocarro estava a voltar para o veículo também ( devia ter estado a espiar as raparigas de biquíni... ou os rapazes) e eu reparei que o senhor até era uma coisa interessante... uns 38 talvez, cabelo preto bem curto já grisalho, barba por fazer, cabelo no peito a aparecer na camisa mal abotoada..."uhmm..." pensei, " o meu caralho calça aquele número..." Entramos no autocarro, ele agarrou uma toalhinha sebosa ( acho que todos os condutores tem uma... deve vir junto com a carta de condução) e começou a secar o pescoço e a cabeça...sacou de um pacotinho e disse-me:
"queres?"
"o que é isso?"
"...rebuçados..."
"Ah..." respondi por fim decepcionado "...se o senhor ainda tivesse outra coisa pra chupar..." e ri, o sorriso que a cobra faz para o pássaro que veio comer sementes perto demais...
Ele arregalou por um momento os olhos, meio incrédulo da audácia mas cerrou um pouco o sombrolho, olhou para fora, fechou as portas do autocarro, as cortinas e foi lá para os últimos bancos, a olhar bem nos meus olhos com um puta olhar de fodedor. Sentou-se lá trás e abriu as calças, e já com ele meio teso, fez-me um sinal com a mão direita como quem chama um empregado de mesa. E eu fui. Enfiei o nariz nas suas cuecas: um cheiro a suor e pentelhos fartos. Aquele cheiro que me deixa com o cu a latejar e a picha a babar-se toda. Mordisquei o caralho ainda dentro das cuecas, louco por sair, a pular e a bombear sangue para uma cabeçorra que despontou como um cogumelo... caralhos com cabeça de cogumelo... nunca vou me fartar deles. Para quem nunca mamou numa picha, eu recomendo ao iniciante começar pelo melhor, a melhor iguaria que há: aquilo invade a boca como um aríete a forçar a entrada num castelo... sim: aquilo era grande, grosso e suculento. Ele gemia rouco como um animal, o braço esquerdo estendido no encosto e a mão direita a me guiar a cabeça... depois ele esfregou um dos dedos na minha saliva, que inundava seus colhões e começou a enfiá-lo no meu cu, dizia: " isso, dá-me esse cu...seu cabrãozinho... queres levar com ele quer?... tás louco pra seres enrabado não é meu puto?" e eu obviamente dizia "na-não" ( faz parte do número e todos ficam contentes...hehehe)... sacou a picha da minha boca de repente e disse : "dá esse cuzinho para o papai, dá..." ( antes que vocês comecem a fazer contas de cabeça e preocupados, questionarem que idade eu tinha, deixem-me dizer que eu era aquilo que na língua inglesa chamam de "barely legal"ou seja, já não era contra a lei) eu fiquei de pé encostado ao banco já com as calças nos tornozelos, como ele, que ainda abriu a camisa e começou a esfregar aqueles pêlos nas minhas costas, a morder a orelha. Parece que o senhor gostava do serviço completo por isso, pôs-se de joelhos e começou a me lamber o cu... enfiava a cara entre as minhas nalgas e mordiscava os cuelhos (pentelhos do cu, para quem não sabe), enquanto enfiava a língua e fazia ruídos de quem estava a saborear um bolo... eu estava tão excitado que a baba do meu caralho pingava no carpete barato e sujo do autocarro. Vi o brilho prateado de uma embalagem de preservativo brilhar na semi escuridão. Ele ergueu-se e, com uma mão no meu ombro e outra a segurar a picha, começou a meter... o senhor era bom naquilo pois com um caralho daqueles eu esperava pelo pior, mas não... meteu devagar, para curtir melhor a penetração e quando eu já sentia seus tomates a encostar nas minhas coxas e a cabeçorra a roçar na próstata, ele parou, respirou fundo e debruçou-se sobre mim, a morder minha nuca e a segredar obscenidades..." porra, puto... tens um cu tão bom de foder... foda-se, que tesão..." e iniciou o caminho de volta, a socar o caralho com vontade, primeiro meigo mas a incrementar a força continuamente, enquanto estalava palmadas no meu rabo... " vai, seu filho da puta... fode-me esse cu! arrebenta-me o rabo, seu cabrão!!" dizia entredentes... e então, ao mesmo tempo, sem dizer nada, a estimulação na próstata foi tal que nem precisei bater uma enquanto ele me fodia: agarrei-me nas costas do banco e sentia-o também a arfar, com a picha estrangulada no meu esfíncter a chorar o leite todo... ele largou-me com aquele sorriso meio cúmplice de canto de boca, a apertar o cinto e a abotoar a camisa enquanto eu fui a casa de banho lavar-me... sentei-me por ali depois e ainda o vi a fumar um cigarro enquanto assobiava. Dormi o sono dos justos e só acordei ao pé de casa, e ao descer ele disse, com um sorriso safado: "até a próxima, companheiro!"
Na segunda, sugeri à professora mais excursões como modo de aproximar as pessoas.... :P

2 comments:

Mister Big said...
This comment has been removed by the author.
sagitarius said...

excelente... :P
XoXo